Línguas Aplicadas: compreender um mundo multicultural

Se tens aptidão para as línguas e gostas de compreender outras culturas, o curso de Línguas Aplicadas pode ser para ti!

O curso de Línguas Aplicadas oferece-te formação no domínio das línguas, com incidência nas áreas da Linguística, dos Estudos de Tradução e Documentação, competências escritas e orais das línguas, e formação informática como apoio no contexto das indústrias e profissões apoiadas nas línguas. De forma simplificada, o licenciado neste curso possuí conhecimentos ao nível da tradução e das línguas aplicadas às relações empresariais.

O técnico de línguas aplicadas deve demonstrar abertura e capacidade de adaptação a outras línguas e culturas, assim como o interesse em áreas como a dos serviços, da gestão, das indústrias ou da cultura, entre outras que se poderiam destacar.

Uma formação diferenciada

O atual mundo interdependente é caracterizado por sociedades complexas e multiculturais, daí a necessidade premente de uma formação diferenciada e abrangente. O curso de Línguas Aplicadas obedece a essa premissa, apresentando Unidades Curriculares como:

  • Português, Francês, Inglês, Espanhol, Alemão, Italiano ou Russo;
  • Informática Aplicada;
  • Tópicos de Direito;
  • Tópicos de Ciências da Engenharia;
  • Terminologia e Tecnologias da Informação;
  • Metodologias de Tradução e Redação Multilingue;
  • Tópicos de Economia;
  • Ciência, Tecnologia e Sociedade;
  • Informática Aplicada;
  • etc.

“Línguas Aplicadas? Então queres ir para tradução.”

Não necessariamente. O que faz o técnico de Línguas Aplicadas?

  • Comunicação e redação multilingues;
  • Tradução geral, técnica ou especializada;
  • Comunicação empresarial;
  • Empresas de localização ou legendagem;
  • Turismo;
  • Interpretação comunitária;
  • Gestão de conteúdos;
  • Produção de ferramentas terminológicas;
  • Trabalho editorial e redatorial em organismos nacionais e internacionais.

E o que pensam os alunos do curso?

Débora Oliveira, aluna do 3º ano da licenciatura na Universidade do Minho, falou-nos da sua experiência:

“Antes de entrar em Línguas Aplicadas pensei que seria um curso com uma grande diversidade de matérias, mas sempre ligado à tradução e consequentemente à comunicação em línguas estrangeiras. Agora que o frequento percebo que a área principal, e aquela que somos mais expostos por parte dos docentes e incentivados a seguir, é a da tradução, sendo que grande parte dos nossos docentes são também tradutores freelancer. Apesar disso, a tradução não é a área que eu ou a maioria dos meus colegas pretende seguir.”

Quanto ao futuro, a Débora considera importante aprofundar os seus conhecimentos e alargá-los a outras áreas:

“Quando terminar o curso pretendo expandir o meu conhecimento linguístico, aprendendo novas línguas e adquirindo níveis mais avançados naquelas em que já possuo conhecimentos; mas afastando-me um pouco da tradução e aproximando-me de uma vertente mais ligada à comunicação. Quero algo que me permita uma carreira internacional no futuro, ou que me possibilite estar em contacto frequente com pessoas, onde as minhas competências linguísticas sejam uma mais valia. Outra opção seria uma vertente mais direcionada às tecnologias e ao marketing, que é também uma área que me desperta grande interesse.”

A média subiu nos últimos 2/3 anos, porquê?

É verdade, nos últimos anos assistiu-se à subida da média daquele que é o último aluno a preencher as vagas no curso.

Uma das explicações que se pode apontar é a alteração das provas de ingresso nesta licenciatura. Por exemplo, no ano letivo 2014/2015, as provas de ingresso em Concurso Nacional eram os exames de Português, Inglês ou Francês. Agora, além dos exames de ingresso anteriores, podem também ser usados os exames de Espanhol ou Alemão.

São mais opções e novas oportunidades para conseguires estudar esta licenciatura!

Curiosidade: o curso de Línguas Aplicadas é frequentado por muitos lusodescendentes

O que leva estes alunos a frequentar o ensino superior em Portugal? Tivemos a oportunidade de falar com alguns deles, que se encontram a frequentar a licenciatura na Universidade do Minho:

“Sempre fui apaixonada por Portugal, e como sempre fui boa em línguas escolhi este curso. Acho que posso fazer muito com este curso, principalmente sendo do Luxemburgo”  diz Shana Soares.

O Renato Neto diz-nos que havia mais facilidade em termos de documentos para vir para Portugal, uma vez que é de Cabo Verde, mas além disso “Acho bastante importante esta troca cultural, é essencial compreender outras culturas, ter essa abertura, principalmente na atualidade em que vivemos, onde se tem notado uma intolerância crescente a outras culturas”.

Quanto ao curso, “Línguas Aplicadas pareceu-me o curso ideal para prosseguir uma área mais social que vá de encontro a essa tal compreensão e aceitação das diversas vertentes culturais”.

“Em Macau estudei português, achei que seria um bom complemento vir para Portugal continuar a estudar, e também a aplicação daquilo que aprendemos ajuda a consolidar conhecimentos”, disse-nos Wanhe Tang, que veio de Macau.

Sobre o curso, “Línguas Aplicadas pareceu-me o melhor curso para mim em termos do percurso profissional que quero traçar no futuro, e claro que o gosto pela aprendizagem de novas línguas foi outro fator motivador nesta escolha”.

———————————————————————————————————————————————–

Interessado em mais artigos?

Então, e os doutoramentos nos politécnicos?

2018-12-05T15:40:28+05:30 By |Cursos|

Leave A Comment