Tic-Tac: Gestão de Tempo na Faculdade

/, Entrevista/Tic-Tac: Gestão de Tempo na Faculdade

A Faculdade e as novas mudanças

A passagem do secundário para a faculdade é sinónimo de uma grande mudança em diferentes aspetos da nossa vida. Os interesses individuais expandem-se, o grupo de amigos altera e cresce, as rotinas mudam e, para muitos, a entrada na Universidade significa um novo começo numa cidade diferente, longe de casa. Toda esta mixórdia de transições (posto nestes termos, até parece um bicho papão) é acompanhada de um pequeno-grande conceito que a suporta: caros futuros alunos do ensino superior, conheçam a “gestão de tempo”.

O que é a gestão de tempo?

Embora possa parecer algo intimidador, gestão de tempo não é mais do que a junção de duas coisas: “o que tenho para fazer” e “quanto tempo tenho”. No fundo, passa por encaixar as duas de forma a que tanto obrigações como hobbies possam coexistir em plena harmonia. E de forma a que não se fique com horas de sono a menos.

Os métodos são vários e, por vezes, a simples junção de algumas dicas pode ser a chave para o sucesso. Naturalmente que cabe a cada um descobrir qual a sua receita e, tal como as dietas ou os cortes de cabelo, o que resulta perfeitamente para uns, pode ser um não redondo para outros! Porém, pequenos truques podem tornar-se nos maiores aliados.

Dicas para o sucesso

Pormenores como usar uma agenda ou listar tudo o que se tem para fazer podem ser um gamechanger. Por vezes, ter tudo escrito ajuda a ter uma melhor perceção visual do tempo e, dessa forma, a fazer uma melhor repartição do mesmo. Criar rotinas e dormir as horas de sono necessárias são também hábitos saudáveis que melhoram o aproveitamento de qualquer estudante! No entanto, um dos maiores segredos no que concerne a uma boa gestão de tempo não é fazer o máximo para ter muito tempo livre: tem sim a ver com ocupá-lo bem.

Ocupar o tempo e ser mais produtivo

Embora seja comum a ideia pré-concebida de que a faculdade é toda uma avalanche de trabalho que não deixa tempo para outras coisas, essa noção é errada. Muitos garantem que o segredo é o envolvimento em atividades, projetos e hobbies de forma a ter o tempo bem preenchido. Desta forma, a parcela de tempo que é dedicada a cada atividade é melhor aproveitada. É simples.

João Freitas tem 21 anos e é um recém-licenciado em Gestão, pela Faculdade de Economia do Porto. Terminou o curso com uma boa média e ao longo dos três anos de licenciatura não se deixou ficar parado. “Fazia muito desporto universitário, futebol e futsal, e estudava música. Tinha bastantes horas semanais de aulas e de ensaios”. Todos os anos participou na FEP League, um campeonato de futsal da faculdade. No segundo ano de licenciatura, participou nos Campeonatos Académicos do Porto e no último completou o oitavo grau do curso de música em guitarra clássica. Ao correr de tudo isto, é guitarrista de uma banda que já dura há quatro anos.

Fotografia. Rapaz a tocar guitarra. Fotografia de concerto. Música.

João Freitas

Admite que nem sempre foi fácil mas que sempre olhou para tudo de forma positiva. “Houve momentos específicos em que foi complicado. Houve um dia em que tinha um exame na sexta-feira e, por acaso, tínhamos concerto no sábado e precisei de faltar a um ensaio, houve alturas em que tinha um jogo durante a semana e exame na. sexta mas nunca olhei para isso como se não conseguisse conjugar”. Como rapaz que gosta de umas boas saídas à noite, João garante que a parte social não foi afetada, antes pelo contrário “Todas as atividades que eu fazia eram, de alguma forma, em grupo e ainda hoje tenho amigos de todos os grupos”. 

Então e as notas?

Quanto ao aproveitamento escolar, não tem dúvidas. “Tenho a certeza absoluta que se não tivesse estado, por exemplo, na música não teria tido boas notas. O facto de ter de estudar um bocado de guitarra, um bocado de composição e um bocado para uma cadeira em vez de passar, por exemplo, cinco dias a estudar só aquela cadeira fazia com que tudo se passasse de forma mais leve, não custava tanto e saía-me melhor”. 

Como a FEP não lhe bastou, João vai tirar uma segunda licenciatura. No novo ano letivo, vai passar a ser aluno da Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo, no curso de Produção e Tecnologias da Música.

Carolina Pereira tem também 21 anos. Começou por fazer dois anos em Economia na FEP mas a vida deu-lhe as voltas e está agora no segundo ano da licenciatura em Ciências da Comunicação, na Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Para além de umas ótimas notas, Carolina sempre esteve envolvida numa série de projetos.

“Desde pequena que me habituei a conciliar a escola com atividades extracurriculares. Sempre acreditei que podia potenciar o meu crescimento pessoal e profissional se conciliasse os estudos com áreas do meu interesse.” Quando entrou na faculdade, não deixou esse ideal de parte. Na FEP integrou o departamento de Relações Internacionais da EXUP, onde fazia acompanhamento dos alunos estrangeiros, e participou no Cineclube de Economia. Para além de tudo isto, pertencia à praxe e ao coro da faculdade.  Na mudança para o novo curso, integrou o departamento de Recursos Humanos da U.DREAM, o departamento de Marketing da Sociedade de Debates da Universidade do Porto e o departamento de Gestão de Talento da UPrise.

Fotografia de rapariga. Retrato de rapariga. Perfil.

Carolina Pereira

Carolina admite que não é fácil, mas vê vantagens no facto de fazer parte de tantos projetos. “Dividir o nosso tempo da faculdade com outras obrigações e responsabilidades não é fácil, porque é sempre uma preocupação acrescida. Mas sabemos que temos menos tempo e, por isso, o tempo que temos tem de ser rentabilizado.” Diz ainda que a experiência nos diversos departamentos lhe deu ferramentas úteis para os estudos. “Às vezes estava a estudar matéria que tinha aprendido em contexto organizacional fora das aulas, é uma mais-valia.”

Quanto aos resultados escolares, Carolina acredita que foi sempre favorecida tendo o tempo preenchido. Beneficio tendo o meu tempo muito mais preenchido porque acabo por ter uma maior disciplina e valorizar cada momento do meu dia. Acabo por formar um calendário natural daquilo que tenho para fazer e isso tem repercussões na faculdade a partir do momento em que permite uma melhor rentabilização do tempo. Posso não ser a melhor aluna, mas sei que, dentro do tempo que posso ter, sou a melhor aluna que posso ser e isso deixa-me orgulhosa.”  

Conjugar as atividades com a vida pessoal

Carolina admite que não é fácil para si conjugar a vida pessoal e social com tantas atividades, e diz que não tem um truque específico, mas faz um esforço para melhorar esse aspeto a cada diz que passa. Acredita sim que a chave para o sucesso é um balanço entre as responsabilidades e tudo o resto. “O tempo que temos não aumenta, por isso é muito importante que essa gestão seja muito bem feita. Ter vida social e manter o equilíbrio é aquilo que nos permite estar bem a fazer o nosso trabalho. Acima de tudo devemos ter tempo para estar com os nossos amigos, com a nossa família e, por vezes, para fazer absolutamente nada.”

No fundo, não há que ter medo. A faculdade muda muitas coisas e traz, sem dúvida, maiores e novas responsabilidades e um ritmo de trabalho diferente. Não pode é mudar a vontade de fazer mais e de agarrar novas oportunidades. Uma boa gestão de tempo vai permitir sempre conjugar todas as partes e ter sucesso. Uma boa gestão de tempo vai garantir que a faculdade não fecha portas, mas antes abre muitas, muitas janelas.

 

Descobre mais sobre projetos e movimentos universitários aqui:

Movimento Universitário

2018-10-15T21:25:28+00:00 By |Artigos UPrise, Entrevista|

Leave A Comment