O futuro pode passar pelo Coworking

//O futuro pode passar pelo Coworking

Se o trabalho individual acarreta mais responsabilidade e concentração das tarefas numa só pessoa, o trabalho em grupo é o verdadeiro desafio. Distribuição de tarefas, diversidade de opiniões e ideias e, infelizmente, muitas vezes o trabalho sobra para um dos elementos.
A noção destas particularidades leva a que se tente contrariar esta má tendência, até porque uma caraterística essencial nos dias de hoje é o saber trabalhar em equipa. A equação empreendedorismo + partilha de espaço de trabalho levou a um conceito “mega” atual e dinâmico: o coworking.

O que é o Coworking?

Mais um daqueles conceitos importados do estrangeiro, mas que será cada vez mais abordado e aplicado. Uma breve descrição para quem nunca ouviu falar deste termo esquisito: é um modelo de trabalho que se baseia na partilha de espaço e recursos, reunindo pessoas que muitas vezes nem trabalham na mesma área de trabalho/empresa. No fundo surgiu para combater o isolamento associado ao trabalho em casa, o chamado home office que acreditamos que não deve ser muito entusiasmante. Além disso, tem a vantagem de permitir pagar aluguer mais barato e a partilha de diferentes ideais.

Coworking em Portugal

Os números e estatísticas não deixam mentir, e em 2015 o jornal Expresso fazia notícia sobre este novo método de trabalho e lançava números: 42 centros em Portugal. Um número relativamente grande para o nosso pequenino país plantado à beira-mar. Num total de 80 países, ficamos em 12º lugar no ranking de países com espaços de coworking.
Apesar disso, a evolução ainda é lenta, muito devido ao facto de ser um conceito desconhecido ou particularmente mais desenvolvido para as camadas jovens, ou para os chamados empreendedores.

Foco na sociedade e não apenas no capital!

A prática do coworking aproxima-se daquilo a que designamos de “cooperativas”, absorvendo assim a ideia de sociedade ao invés de pensar apenas no lucro e nos rendimentos. Ou seja, uma busca por um espaço menos isolado, permitindo contacto humano, aliás, a maioria dos espaços de coworking foram pensados por empreendedores nómadas da tecnologia, vulgarmente chamados de “geek”, numa tentativa de fuga ao convencional.

Parece simples chegar às razões que levam a que este método tenha sido implementado, destacando-se pelo menos quatro:

  1. Poupança para um empreendedor que queira ter um espaço mas sem investir muito;
  2. Aumento do networking com profissionais de áreas iguais, mas também diferentes;
  3. Interação no local de trabalho;
  4. Elimina o isolamento gerado pelo home office (já anteriormente referido).

Como em tudo na vida, nem tudo é bom e cor-de-rosa no coworking, mas numa primeira observação e segundo aquilo que os especialistas trazem até à esfera noticiosa, os espaços têm vindo a aumentar, os resultados têm sido positivos e os empreendedores vêem nesta prática um futuro risonho para os seus projetos.

Portanto as desculpas para ficares em casa à espera do emprego de sonho, que tarda em aparecer, começam a ser poucas. Procura um espaço destes na tua cidade, informa-te, arrisca e lança o teu projeto!

By | 2018-05-01T11:58:35+00:00 18.04.2018|Categories: Artigos UPrise|0 Comments

Leave A Comment