Alerta tendência: Empreendedorismo

//Alerta tendência: Empreendedorismo

A palavra empreendedorismo já nasceu há muito, mas o conceito só há alguns anos começou a estar em voga e a ser usado com (demasiada) facilidade. Será que sabemos quem são os verdadeiros empreendedores? Ou basta abrir uma hamburgueria vintage para se ser denominado como tal? Let’s find it.

Empreendedor vs Investidor

Na Internet, entre as infindáveis opções de definição da palavra ‘empreendedor’, surge esta bastante interessante e concisa: “Empreendedor é aquele que toma a iniciativa de empreender, de ter um negócio próprio. É aquele que sabe identificar as oportunidades e transformá-las numa organização lucrativa.”.

Em 3 pontos-chave pode-se então definir um empreendedor:

  • inovação
  • coragem
  • liderança

Esta é a mistura ideal para que possa correr tudo como o desejado e a base ideal para entrares na esfera do empreendedorismo.

Quanto ao conceito de investidor é muito simples e até vago: aquele que investe, compra ou vende com o objetivo do lucro.

Mas qual a verdadeira diferença entre ser um empreendedor ou um investidor? Tem a ver com capital? Com logística?

As semelhanças começam a sobrepôr-se, daí que as diferenças começam a anular-se e a dar lugar aos pontos em comum destes dois conceitos. De forma simples, a linha que os separa é esta:

Um empreendedor abre o seu negócio, cria algo; um investidor aplica o seu capital e numa empresa.

Por Exemplo: Um bom investidor pode ser um bom empreendedor e vice-versa.

Quero tornar-me num empreendedor!

Se estão desse lado já a pensar investir os vossos 20€ de mesada, é melhor irem com calma e parar para ver se possuem algumas das caraterísticas essenciais, quer para investidor quer para empreendedor.

  • Dinheiro! Fica difícil sem este fator, believe me, não é possível sem ele.
  • Abertura a riscos, terão de lidar com riscos, incertezas e saber lidar com isso sem ficarem paralisados na hora H.
  • Definir metas é essencial: se querem crescer 20% ou 10%, é preciso determinar tempos, o que investir e o que guardar, etc, etc, etc! Ter plena noção do que se pretende alcançar e definir os meios para tal.
  • Ser um bom líder. Não se resume a saber mandar ou delegar apenas, muito menos se trata de subordinação. É pretendido que se saiba gerir, planear e zelar, verbos primários para uma boa liderança.

Jovens empreendedores- eles andam aí!

De há uns tempos para cá dizem que os tempos não andam fáceis, e dizem bem. A crise toca a todos e resta saber arregaçar as mangas e perceber onde estão as boas oportunidades. Saímos da faculdade com expectativas baixas, os números do desemprego só ajudam a deprimir ainda mais, e a verdade é que o canudo já não tem o mesmo peso. É preciso mais, exigem cada vez mais valências, muito além do que vem nos livros e nos apontamentos da faculdade. Entra no mundo do empreendedorismo!

O Investe Jovem é um programa que incentiva a criação de empresas por parte de jovens desempregados entre os 18 e os 30 anos inscritos no IEFP, através de um apoio financeiro ao investimento, de um subsídio à criação do emprego dos promotores e de ajuda técnica. São elegíveis investimentos entre os 1048,5€ e os 41.912€.

No site da ANJE- Associação Nacional de Jovens Empresários têm ainda ao dispor uma série de artigos, eventos e cursos destinados à camada jovem empreendedora, uma ferramenta essencial para quem pensa dar os primeiros passos numa aventura deste género.

Vamos a números?

Entre desemprego e trabalho precário e outros conceitos pouco agradáveis que invadem o dia-a-dia, existe ainda outra problemática: os NEET (Not in Employment, Education or Training), jovens que não têm emprego, não estão a estudar e não participam em qualquer tipo de ações de formação.

Em Portugal, a percentagem de jovens nesta situação está fixada nos 15,3%, ou seja, 1 em cada 6 jovens não têm qualquer tipo de ocupação (Society at a Glance Report, 2014).

Mas nem tudo é assustador! Segundo o Relatório Global de Empreendedorismo da Amway relativo a 2013, 56% dos jovens portugueses têm uma atitude positiva em criar o seu próprio negócio.

Motivações?

As principais motivações na base desta escolha prendem-se com a independência de um empregador, a autorrealização, melhores perspetivas de rendimento e também a alternativa ao desemprego.

Não procures mais, põe mãos à obra!

Portanto, jovens deste país: 15% de vocês está em casa sem fazer nada, por vontade própria ou por outras circunstâncias que não controlam, o Governo tem incentivos para vocês, para que não precisem de procurar lá fora o que podem iniciar vocês mesmos, mas cá dentro, no país onde nasceram e estudaram. Estão na idade ideal para aplicar energia e tempo num projeto que seja o reflexo daquilo que gostam e acreditam.

Seja uma loja de crepes, uma hamburgueria na rua mais escondida da cidade ou uma empresa de comunicação, está nas vossas mãos seguir em frente e perceberem o que valem, o vosso poder enquanto jovens.

Se não correr bem à primeira é aprendizagem, se correr bem é sucesso!

By | 2018-03-25T20:44:00+00:00 25.03.2018|Categories: Artigos UPrise|0 Comments

Leave A Comment