A Finlândia tem o Pai Natal e um Sistema de Educação Exímio

//A Finlândia tem o Pai Natal e um Sistema de Educação Exímio

A maioria dos que vão ler este artigo já não acreditam no Pai Natal, por motivos óbvios, mas estará certamente interessado em perceber o segredo para que a educação nórdica tenha vindo a vencer e a cativar o Mundo.

Alegria na escola? Na Finlândia é possível!

Alguns devem estar recordados de que, em 2012 e nos cinco anos seguintes, a Finlândia apostou numa reforma inovadora onde definiu alguns pontos que permitiram a que pais confiassem nas escolas (em qualquer uma delas, privada e pública, ao mesmo nível), que estas fossem compostas por professores de elite e, admirem-se só, os alunos conduzissem o seu percurso escolar e currículo, permitindo que os estudantes tenham verdadeiro gosto por ingressar na escola e continuar nela ao longo dos anos.

Quem visita o sistema educativo finlandês afirma que os alunos gostam verdadeiramente das aulas e talvez uma das razões passe pelo facto da reforma ter anulado as matérias predefinidas e passou a integrar temas.

O raciocínio inerente a esta mudança passa em muito pelo Futuro.

Como assim? Num Mundo em que tudo está à distância de um clique, em que a informação é diversa e dispersa, e em que crescemos, literalmente, rodeados pela tecnologia, aquilo que tornará alguém bom e diferenciado na sua área de trabalho será o espírito crítico, a autonomia e diversas competências transversais.

Deitar cedo e cedo erguer

O sistema educativo português, com muita crítica regra geral, integra algumas medidas consideradas radicais, nomeadamente no que concerne ao número de horas que em média os estudantes portugueses passam na escola. As aulas começam bastante cedo e prolongam-se até tarde, sobrando pouco tempo para estar em casa ou para realizar atividades extracurriculares. Já para não falar dos trabalhos de casa em quantidade desmedida nalguns casos.

 

  • Na Finlândia o sono é valorizado (bom não é?), as aulas começam por voltas das 8:30 mas acabam por volta das 16:00.

 

Quanto a trabalhos de casa, são priorizadas as pesquisas e não a resolução de exercícios, permitindo a que cada um desenvolva melhor as suas capacidades, não se limitando a seguir um padrão ou soluções únicas. A autonomia é valorizada, e é tida como um dos segredos do sucesso finlandês. O importante não é decorar fórmulas, mas sim adquirir a capacidade para consultar uma bibliografia p.ex., ou saber solucionar os seus problemas.

Igualdade

A igualdade atinge as mais diversas vertentes na Finlândia, desde a sala de aula, passando pela escola como infraestrutura, e por fim pais e alunos.

O percurso escolar é dividido em 10 séries, da 1ª à 9ª, havendo uma 10ª que é opcional permitindo aos alunos decidirem se precisam ou não de um reforço dos seus conhecimentos, para futuramente ser realmente bom naquilo a que se dedicar. Daí que reprovações ou chumbos não sejam vistos “com maus olhos” como acontece no nosso país, pelo contrário, são considerados importantes para reforçar competências.

Surpresa: estuda quem quiser!

Os professores tentam, obviamente, chamar a atenção dos seus alunos nas aulas, mas se um aluno demonstrar pouco interesse pode dedicar-se a outra atividade como ler um livro. Os alunos não são formatados a seguir um ideal como ser médico ou advogado; as profissões mais práticas como construtor civil ou motorista são igualmente valorizadas. Afinal de contas todos fazem falta. Na Finlândia o ensino regular ou o ensino técnico são igualmente honráveis, não existe uma diferença de status.

Aliás, os finlandeses defendem uma máxima incrível “É possível prepará-los ou para as provas ou para a vida. Escolhemos a segunda opção”.  No seguimento disso, há que referir a existência única de uma prova obrigatória, no fim do período médio, mas que pouco influencia na avaliação do aluno. Aplicam o que aprenderam até então, mas sem começar a estudar com 1 mês de antecedência e sem o stress que os alunos tanto reclamam em Portugal.

Na escola só se ensina o que pode vir a ser útil na vida. Saber fazer um currículo, um contrato, o IRS, usar uma rosa dos ventos ou uma bússola… os alunos finlandeses dominam a prática sem esquecer a teoria. Mentes quadradas são uma espécie extinta.

No Money, no problem

Nem todos dispõem dos mesmos recursos económicos e muitas vezes as bolsas atribuídas ou os subsídios, ou são mal empregues ou não são suficientes para as famílias mais carenciadas. Na Finlândia esta problemática nem se coloca. A educação, manuais, material escolar, refeições e atividades extracurriculares, e até o transporte em determinados casos, são gratuitos. É pegar ou largar!

Infelizmente não está nas nossas mãos decidir o destino da educação em Portugal, mas é bom conhecer e perceber que no mesmo continente, e não tão longe assim, existem países com medidas que passam para lá do papel e das promessas dos governos.

A importância da alegria de aprender e a promoção da autonomia do aluno no seu trajeto escolar são objetivos chave excelentes e que têm resultados comprovados.

 

 

Num Mundo cada vez mais acelerado é fundamental ter pedalada para acompanhar.

 

2018-03-12T14:07:50+00:00 By |Sistemas Educativos|

Leave A Comment